Me formo no ano que vem na faculdade e trabalho como assistente financeiro. Tenho muito desejo de fazer um intercâmbio, mas tenho medo de abrir mão de um emprego onde estou “estabilizado”. Por outro lado, um dos meus grandes receios é me arrepender por não ter ido. É muito arriscado fazer um intercâmbio agora?

Assistente financeiro, 22 anos

Com a sua idade, você pode praticamente tudo, sabendo planejar e aproveitar as oportunidades das suas possíveis carreiras nas décadas futuras e com muitos desafios ao longo do caminho. Fazer o intercâmbio abre um mundo de aprendizagem em diversos campos da vida. Começando pelo óbvio: entendo que você pretende aprimorar um idioma, e nada melhor do que ficar 24 horas plugado em outra língua.

Contudo, se você tem conhecimentos muito básicos deste idioma, sugiro estudar um pouco mais por aqui, até melhorar o seu nível de conhecimento e aí sim investir em um intercâmbio. Sem dúvida você irá aproveitar muito mais, afinal o objetivo é obter fluência no idioma. Não adianta voltar sem ela.

Além desse objetivo, outro ganho desta experiência é conquistar novas amizades. Uma das melhores oportunidades de um intercâmbio é poder conhecer pessoas do país onde você está morando e também outros estudantes internacionais. É muito fácil ficar amigo de outros estudantes internacionais, pelo fato de estarem vivendo as mesmas situações e lidando com os mesmo desafios. Se você cultivar essas amizades, você terá contatos pelo mundo afora. Não se esqueça de conviver também com pessoas que não são do seu país, afinal de contas, você foi morar fora para conhecer pessoas interessantes que você não teria a oportunidade de conhecer no seu próprio país.

Estudar fora implica entrar em contato com hábitos completamente diferentes dos seus. Por isso, aproveite para conhecer o máximo que puder sobre a vida local, ampliando sua bagagem cultural. Assim, com certeza você terá também uma visão ampliada sobre o Brasil. Pense que você terá a oportunidade de refletir sobre os seus preconceitos, desafiar estereótipos, aceitar e respeitar as diferenças.

Você irá amadurecer rapidamente pois será responsável por tarefas e precisará ser organizado com suas atividades, o que o tornará mais independente. Você vai ter que sair da zona de conforto ao ter que lidar com pessoas novas em um ambiente novo.

Uma experiência internacional dará um upgrade no teu currículo. Além do idioma você irá demonstrar que é capaz de enfrentar desafios e tem habilidade para lidar com pessoas de outras culturas. Você também terá a chance de melhorar a sua autoestima e desenvolver maior segurança para os inúmeros desafios que a vida te reserva. Aproveite para refletir sobre o que realmente importa na sua vida, se conhecer um pouco mais e poder fazer escolhas.

Depois dessas vantagens relacionadas, coloque os prós e contras dessa decisão. Imagino que o que esteja pesando mais nessa decisão é a perda do vínculo empregatício. Explore com o seu gestor a possibilidade de uma licença não remunerada. Sem dúvida, quando você voltar você estará mais preparado e é isso que as empresas buscam.

Caso não seja possível, a opção é pedir demissão. Na sua idade e nível hierárquico, é muito mais fácil e rápido você conseguir um novo emprego. Além do mais a sua empregabilidade terá aumentado e você possivelmente poderá até buscar uma remuneração mais alta.

Também é uma chance de mudar, redirecionar a sua carreira. Enfim, muita coisa pode acontecer. Caso opte em permanecer na carreira atual, sugiro que nessa temporada fora do Brasil você cuide muito bem da sua rede de contatos. A maioria das novas oportunidades estão no networking, ou seja, é estratégico manter essa rede aquecida. Pode até ser que você já volte participando de alguns processos seletivos se continuar plugado e divulgar os seus objetivos profissionais. Além disso, mantenha-se atualizado com os acontecimentos do Brasil.

Acho muito cedo para você estar tão preocupado em estar “estabilizado”. Na verdade, não existe e nunca existiu garantia de estabilidade no emprego. A sua geração vive em um mundo em que a velocidade das mudanças é altíssima, por isso você pode apostar que essa será uma das muitas oportunidades de desenvolvimento da sua carreira nas décadas que virão.

>> Envie sua pergunta, acompanhada de seu cargo e sua idade, para: diva.executivo@valor.com.br

Karin Parodi é fundadora e sócia­diretora do Career Center e presidente da Arbora Global.